A Idea de Níveis de Realidade para com as Noções de Pessoa e Não-Redução (de Basarab Nicolescu)

4. Notas Futuras

É óbvio que um grande trabalho permanece por fazer de forma a formular a teoria unificada dos níveis da Realidade, válida em todos os campos do saber, que envolvem, no início do século XXI, mais de 8000 disciplinas académicas, cada uma reclamando a sua verdade e possuindo as suas leis, normas e terminologia.

Eu acredito que a teoria transdisciplinar dos níveis da Realidade é um bom ponto de partida para eliminar a fragmentação do conhecimento, e, por isso, a fragmentação do ser humano. Precisamos muito de uma hermenêutica transdisciplinar [14]. Esta é, realmente, a grande questão.

Neste contexto, o diálogo da transdisciplinaridade com o pensamento patrístico, e, em particular, com o pensamento apofático, será, claramente, muito útil. O Terceiro Escondido é uma característica basicamente apofática da unidade de conhecimento futura [15].

A teoria das categorias certamente que será também útil. Mas não é preciso ter medo da metafísica e clarificar como podem ser descritas as propriedades trans-categoriais. É muito difícil, senão impossível, conceber tal noção subtil como a de “pessoalidade” sem recorrer à metafísica.

A física quântica é também muito preciosa porque conduz a uma boa compreensão do papel desempenhado pela descontinuidade no pensamento filosófico. A abordagem de Heisenberg dos níveis da Realidade é apenas um exemplo magnífico neste sentido.

Tenho também muita esperança na potencial contribuição para uma teoria unificada dos níveis da Realidade de um novo ramo de conhecimento – a biosemiótica, tal como é exposta, no estimulante livro Signs of Meaning in the Universe (Sinais de Significado no Universo) de Jesper Hoffmeyer [16]. A Biosemiótica é transdisciplinar na sua própria natureza [17]. Nós vivemos numa semiosfera, da mesma forma que vivemos na atmosfera, hidrosfera e biosfera. O ser humano é o único ser no universo capaz de conceber uma riqueza infinita de mundos possíveis. Estes “mundos possíveis” correspondem, certamente, a diferentes níveis da Realidade. Conceitos poderosos elaborados pelo biosemiólogos, como o da liberdade semiótica, podem levar-nos a compreender o que pode significar “pessoalidade”. “O ser humano é o sinal mais perfeito”, diz Peirce.

A biosemiótica baseia-se na filosofia de Charles Sanders Peirce (1839-1914), um grande filósofo, lógico, matemático do início do século XX [18]. Para Peirce, a Realidade possui uma estrutura ternária. Todas as nossas ideias acerca da Realidade pertencem a três classes: Primeireza, Segundeza e Terceireza. Estas classes possuem propriedades trans-categoriais, através do modo como Peirce define o que é Primeireza. Existe um teorema poderoso na teoria gráfica estabelecido por Peirce, dizendo que cada políada [19] superior até a uma tríade pode ser analisada em termos de tríades, mas as tríades não podem ser analisadas em termos de díades. Isto leva-o a pensar sobre três modos de ser, manifestações de três universos da experiência. A correspondência da dinâmica ternária de Peirce com a dinâmica ternária da transdisciplinaridade da Realidade {Sujeito, Objecto, Terceiro Escondido} é admirável e deveria ser mais explorada. «O que é a Realidade?» – pergunta Peirce [20]. Ele diz-nos que talvez não haja nada de todo que corresponda à Realidade. Pode ser apenas um pressuposto de trabalho na nossa tentativa desesperada de conhecer. Mas se existe a Realidade – diz-nos Peirce – deve consistir no facto que o mundo vive, move-se e tem em si mesmo uma lógica de eventos, que corresponde à nossa razão. O ponto de vista de Peirce sobre a Realidade corresponde totalmente ao da transdisciplinaridade.

Finalmente, noto que a teoria unificada dos níveis da Realidade é crucial no desenvolvimento do edifício e futuro sustentáveis. As considerações presentes neste assunto baseiam-se num pensamento reducionista e binário: tudo é reduzido à sociedade, economia e ambiente. O nível individual da Realidade, o nível espiritual da Realidade e o nível cósmico da Realidade são completamente ignorados. Futuros sustentáveis, tão necessários à nossa sobrevivência, podem apenas ser baseados numa teoria unificada dos níveis da Realidade. Nós somos parte do movimento ordenado da Realidade. A nossa liberdade consiste em entrar no movimento ou perturbá-lo. A Realidade depende de nós. A Realidade é plástica. Podemos responder ao movimento ou impôr a nossa vontade de poder e dominação. A nossa responsabilidade é construir futuros sustentáveis de acordo com o movimento global da realidade.

Bibliografia

Horia Badescu and Basarab Nicolescu (Ed), Stéphane Lupasco – L’homme et l’oeuvre, Rocher, Monaco, 1999.

Joseph E. Brenner, Logic in Reality, Springer, 2008.

Richard Dawkins, The Selfish Gene, Oxford University Press, UK, 1976.

Daniel Dennett, Darwin’s Dangerous Idea, Simon and Schuster, New York, 1995.

Nicolai Hartmann, Der Aufbau der realen Welt. Grundriss der allgemeinen Kategorienlehre, Walter De Gruyter, Berlin, 1940.

Werner Heisenberg, Philosophie – Le manuscrit de 1942,Paris, Seuil, 1998. Translation from German and introduction by Catherine Chevalley. The pages quoted in parenthesis are from this edition. German original edition : Ordnung der Wirklichkeit, Munich, R. Piper GmbH § KG, 1989. Published first in W. Blum, H. P. Dürr, and H. Rechenberg (ed.), W. Heisenberg Gesammelte Werke, Vol. C-I : Physik und Erkenntnis, 1927-1955, Munich, R. Piper GmbH § KG, 1984, pp. 218-306. To my knowledge, there is no translation in English of this book.

Jesper Hoffmeyer, Signs of Meaning in the Universe, Indiana University Press, Bloomington, Indianopolis, USA, 1993.

Edmund Husserl, Méditations cartésiennes, Vrin, Paris, 1966. Translated form the German by Gabrielle Peiffer and Emmanuel Levinas.

Stéphane Lupasco, Le principe d’antagonisme et la logique de l’énergie – Prolégomènes à une science de la contradiction, Hermann & Cie, Coll. “Actualités scientifiques et industrielles”, n° 1133, Paris, 1951 ; 2nd ed.: Rocher, Monaco, 1987, foreword by Basarab Nicolescu.

Basarab Nicolescu, Nous, la particule et le monde, Le Mail, Paris, 1985. 2nd edition: Le Rocher, Monaco, “Transdisciplinarité” Series, 2002.

Basarab Nicolescu, Manifesto of Transdisciplinarity. New York: SUNY Press, 2002, translation from the French by Karen-Claire Voss; original edition: La transdisciplinarité, manifeste, Monaco, Rocher, “Transdisciplinarité” Series, 1996.

Basarab Nicolescu, “Hylemorphism, Quantum Physics and Levels of Reality”, in Demetra Sfendoni-Mentzou (Ed), Aristotle and Contemporary Science, New York, Peter Lang, 2000, Vol. I, pp. 173-184. Introduction by Hilary Putnam.

Basarab Nicolescu, Towards an apophatic methodology of the dialogue between science and religion, in Science and Orthodoxy, a necessary dialogue, Curtea Veche, Bucharest, 2006, edited by Basarab Nicolescu and Magda Stavinschi, p. 19-29.

Basarab Nicolescu (Ed), Transdisciplinarity – Theory and Practice, Hampton Press, Cresskill, New Jersey, 2008.

Charles Sanders Peirce, Collected Papers of Charles Sanders Peirce, 8 volumes, Charles Hartshorne, Paul Weiss, and Arthur Burks (Ed), Harvard University Press, Cambridge, Massachusetts, 1931-1958.

Charles Sanders Peirce, Selected Writings (Values in a Universe of Chance), edited with an introduction and notes by Philip P. Wiener, Dover Publications, New York, 1966.

Charles Sanders Peirce, The New Elements of Mathematics, 4 volumes, C. Eisele (Ed), Mouton Humanities Press The Hague, 1976.

Roberto Poli, “The Basic Problem of the Theory of Levels of Reality”, Axiomathes, 12:261-283, 2001.

Roberto Poli, “Three Obstructions: Forms of Causation, Chronotopoids, and Levels of Reality”, Axiomathes 1:1-18, 2007.

Roberto Poli, private communication, June 28, 2008.

John van Breda, “Towards a Transdisciplinary Hermeneutics – A New Way of Going beyond the Science / Religion Debate”, Transdisciplinarity in Science and Religion, No 2, Curtea Veche Publ., Bucharest, 2007; originally presented at the 2007 Metanexus Conference “Transdisciplinarity and the Unity of Knowledge” and previously published on the Global Spiral http://www.globalspiral.com .

Günther Wutzany (Ed), Biosemiotics in Transdisciplinary Contexts, Proceedings of the Gathering in Biosmiotics 6, UMWEB Publications, Finland, 2007.

[14] van Breda, 2007.

[15] Nicolescu, 2006.

[16] Hoffmeyer, 1996.

[17] Witzany (ed.), 2007.

[18] ver, e.g. Hartshorne (Ed.), 1931-1958 e Peirce, 1966.

[19] um grupo de consiste num indeterminado número de coisas ou pessoas (N.d.T.)

[20] Peirce, 1976, vol. IV, pp.383-384.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s